9 de março de 2013

NOVA FOTO DO TITANIC



DESCOBERTA ESTA SEMANA UMA NOVA FOTOGRAFIA DO TITANIC 

Para quem esteve presente naquele cenário da partida do Titanic há cem anos atrás, guardou para sempre na sua memória a euforia e alegria de ver o gigante sair de Southampton para aquela que, sem saberem, seria a sua última viagem. 
Mas, no entanto o que vive na memória das pessoas sobre o Titanic é o seu afundamento no Atlântico Norte. Esta semana veio ao público mais uma fotografia nunca antes vista, um rapaz capturou uma imagem rara do momento em que o Titanic partiu para a sua única viagem.
Navegando suavemente através das ondas, saindo Southampton, esta fotografia com mais de 100 anos de idade mostra o navio no dia 10 de Abril de 1912.
A fotografia foi capturada por Elliot Brown de então 15 anos de idade, que estava com o seu tio no jardim da casa virada para o mar, na Ilha de Wight e aproveitou a máquina para fotografar o navio que surgiu ao sul da costa.
A casa do tio de Brown na Ilha de Wight oferecia uma vista espectacular sobre os navios que navegavam a partir de Southampton em direcção ao Canal Inglês, e o adolescente aproveitou a camera brownie do seu tio para imortalizar o momento.
O jovem Brown, um fotógrafo amador, tirou esta foto e guardou-a num canto do seu álbum junto com fotos de seus amigos e familiares, sem noção de quão importante se tornaria a fotografia dele mais tarde.
Quando aconteceu o desastre do Titanic, quatro dias depois da fotografia tirada por Brown, o adolescente sabia que tinha capturado um momento único, mas mesmo assim optou por manter o seu tesouro no álbum de família.
A fotografia permaneceu em sua posse toda a sua vida, Brown casou, teve filhos, e se estabeleceu como um grande fotógrafo respeitado em Birmingham.
Quando a sua segunda esposa, Faith, foi para um lar de idosos, os seus filhos começaram a limpar a casa de Elliot e Faith em Galmpton, Devon.
Foi então que se depararam com o álbum e os seus conteúdos raros pertencentes ao seu pai, que morreu em 1967 com 70 anos.
Se não tivessem guardado esta imagem rara no álbum, a fotografia de extrema importância poderia ter sido perdida para sempre.
O filho, Bruce Brown encontrou a imagem, que tem uma grande dobra ao meio e foi colada no álbum com uma legenda escrita à mão: 'RMS' Titanic ': Maiden Voyage'.
Bruce, teve a fotografia restaurada digitalmente a tempo para o 101º aniversário do naufrágio do Titanic, mas ainda pensa manter a imagem da família guardada.
Bruce Brown, agora com 77 anos e reformado, disse: "Quando eu tinha cerca de 20 anos, ele dizia-me por alto que tinha uma foto do Titanic quando ele saiu de Southampton. 
Lembro-me que isto ficou na minha cabeça quando ele o disse na época, e que  o Titanic é algo que  fascina muitas pessoas desde então. 
 
Ele percebeu o quão importante aquela imagem se tornaria mais tarde, mas decidiu mantê-la no seu álbum. 
Como em todo mundo, o Titanic teve um grande impacto sobre ele e ele ficou chocado com o que aconteceu. O m
 
eu pai era um homem bastante religioso e ficou bastante emocionado pelo facto de que a banda do Titanic, teria tocado Nearer My God to Thee."
 

Descrevendo o momento em que ele encontrou a foto que o seu pai lhe tinha contado existir décadas atrás, Bruce acrescentou: "Foi uma decisão tomada numa fracção de segundos: se iria ou não manter o álbum como estava, já que não conheço ninguém nas fotos. Mas também não estou orgulhoso pelo que fiz."
Pete Boswell, de Warwickshire, que restaurou a foto, disse: "Foi uma experiência fantástica e um privilégio trabalhar em uma imagem como esta. 
Quando as pessoas encontram fotos como esta, é muitas vezes uma viagem de descoberta, e esta imagem não é diferente."

Bruce Brown revelou que ele descobriu o álbum de fotos na casa de seu falecido pai, em Devon, por volta do ano de 1985, quando o Titanic foi encontrado no fundo do Atlântico, mas guardou-a desde então, e só recentemente decidiu que deveria ser restaurada digitalmente e anunciada. 
Quando pensamos que já tudo se sabe sobre o Titanic, surgem novidades como esta para percebemos que há muito mais do que aquilo que podemos imaginar.