19 de dezembro de 2010

HMS Britannic

O Hospital Móvel Ship  Britannic foi um transatlântico inglês que serviu como navio-hospital durante a 1ª guerra mundial Navegando ao largo da Grécia em 1916, colidiu com uma mina marítima, naufragando em cinquenta e cinco minutos.
O navio tinha as dimensões de 269 metros de comprimento, 28 metros de largura e 56 metros de altura.
Tinha capacidade para 790 pessoas em primeira classe; 836 em segunda classe; 953 em terceira classe; e 950 pessoas de tripulação. Na sua capacidade total conseguia acomodar 3.529 pessoas.
A sua velocidade máxima era de cerca de 23/24 nós. Pesava cerca de 50mil toneladas. Pertencia à mesma classe do Titanic e Olympic

Idade actual 95 anos

14 de dezembro de 2010

Nova bactéria descoberta nos destroços do Titanic

Os destroços do RMS Titanic em breve poderão ser perdidos, graças a uma bactéria recentemente descoberta que gosta de comer ferrugem.
Pesquisadores da Universidade Dalhousie, em Halifax, Nova Scotia, no Canadá têm vindo analisando as bactérias devorando os restos do famoso navio, uma vez que se está no leito do Oceano Atlântico Norte.
Usando a tecnologia de DNA, os cientistas Dalhousie Henrietta Mann, Bhavleen Kaur e pesquisadores da Universidade de Sevilha, na Espanha foram capazes de identificar uma nova espécie bacteriana coletada de rusticles (uma formação de ferrugem semelhante a um pedaço de gelo ou de estalactite) a partir do naufrágio do Titanic. A bactéria do ferro-óxido vem mastigando os destroços.Foi nomeada Titanicae Halomonas.
Rusticles são porosas, por isso permitem a passagem da água, pois eles são muito delicados e eventualmente se desintegram em pó fino. "É um processo natural, reciclagem de ferro e devolvê-lo à natureza", disse Mann.
Durante décadas seguintes naufrágio do navio em 1912, o local final de descanso do Titanic permaneceu um mistério. Descoberto por uma expedição em 1985, o navio está localizado a pouco mais de 2 milhas (3,8 km) abaixo da superfície do oceano e 329 milhas (530 quilómetros) a sudeste de Newfoundland, no Canadá.
Nos 25 anos desde a descoberta dos destroços do navio, o Titanic tem se deteriorado rapidamente.
A desintegração do Titanic faz a conservação do navio ser impossível mas, as bactérias fazendo o dano, podem ser úteis para acelerar a eliminação de outros velhos navios e plataformas petrolíferas. Além disso, ela também poderia ajudar cientistas a desenvolver tintas ou revestimentos de protecção contra as bactérias em novos navios.

12 de dezembro de 2010

RMS lusitania - O naufrágio

O Lusitânia saiu de Nova York no dia 1 de maio de 1915 com destino a Liverpool. No dia 6, quinta feira o comandante foi informado de que havia submarinos alemães no local. No dia 7 sexta-feira dia do naufrágio por volta das 2h10 da tarde o Lusitânia foi atingido por um torpedo no seu lado de estibordo (lado direito do navio). O navio possuía botes para todos os passageiros, mas como os marinheiros esqueceram de parar o navio, pois a sala das caldeiras estava sendo inundada, por causa disso muitas pessoas morreram pois muitos botes não foram lançados. O Lusitânia afundou em apenas 18 minutos, ou seja por volta de 2h28.  De facto o Lusitânia não poderia ser afundado com apenas um torpedo, ele afundou porque seu comandante não fechou as comportas estanques e também porque o Lusitânia carregava armas e outras munições.

RMS Lusitania


 O RMS Lusitania foi um navio da Cunard Line, lançado em 1906
Foi construído, juntamente com o RMS Mauretania, para competir com outros navios transatlânticos alemães. O Lusitania e o Mauretania foram, por alguns anos após o término de sua construção, os maiores navios do mundo. Superados apenas depois em 1910 pelo RMS Olympic navio da White Star Line, o Olympic fazia parte dos navios da Classe Olympic ou seja, era iguala seus irmãos RMS Titanic e HMHS Britannic. (o HMHS Britannic era mais forte,possuia casco duplo ,  tinha  camada dupla entre a casa das maquinas e  os outros andares apenas andava mais devagar pois este por dentro tinha mais protecção que os seus irmãos, este pessava 50 mil tonedas brutas ,)  Sua viagem inicial, Liverpool -Nova York,  iniciou-se em 7 de setembro de 1907.
O Lusitania foi torpedeado por um submarino alemão, em 7 de maio de 1915, na Primeira Guerra Mundial, afundou e deixando quase 1900 mortos.
Este fato provocou grande consternação na opinião pública dos Estados Unidos, que eram à data uma nação neutral no conflito, e de onde era originária a maior parte dos passageiros, o que desencadeou um processo que veio a culminar dois anos mais tarde na entrada dos EUA na guerra, após a descodificação do Telegrama Zimmermann.

10 de dezembro de 2010

RMS Mauretania


O RMS Mauritânia , navio-irmão do Lusitânia, era um transatlântico construído por Swan Hunter & Wigham Richardson, Newcastle, em Tyne, pertencente à Cunard Line e foi lançado no dia 20 de Setembro de 1906.
Naquela época, ele era o maior e mais rápido transportador no mundo. Particularmente era encantador a sua propulsão de turbina a vapor, que era um desenvolvimento revolucionário designado a transatlânticos. O Mauritânia se tornou um favorito entre os passageiros por causa do seu luxo, velocidade e segurança.
O nome Mauretania foi originado de um reino de Berber na costa mediterrânea do norte da África, não tendo relação com a Mauritânia moderna

9 de dezembro de 2010

RMS Aquitania


O RMS Aquitânia foi um navio transatlântico da Cunard Line construído por John Brown and Company em Clydebank, Escócia. Ele foi lançado em 21 de Abril de 1913 e navegou para Nova York em sua viagem inaugural em Maio de 1914. O Aquitânia foi o terceiro do "Grand Trio" de transatlânticos expressos da Cunard Line, precedidos pelo Mauritânia e Lusitânia de 1907. Foi considerado um dos mais bonitos navios da empresa, tanto que recebeu o apelido de "Ship Beautiful" - "Navio Lindo".
Teve uma longa carreira, operou por 36 anos, tanto na 2ª Guerra Mundial, transportando tropas e armamentos e depois da guerra, navegou com o transporte de passageiros novamente.

8 de dezembro de 2010

Olympic - Características gerais





Navio a vapor de passageiros
Classe Olympic
Deslocamento 46 328 t
Comprimento 269 m
Boca 28 m
Pontal 54 m
Calado 19, 7
Propulsão 2 máquinas de tripla expansão com 15 000 HP (hélices laterais)
1 turbina de baixa pressão com
16 000 HP (hélice central)
29 caldeiras de vapor
2 hélices laterais de três pás
1 hélice central de quatro pás
Velocidade 23  nós (min) 25 (max)

Tripulação 899
Passageiros 1324

Olympic - Carreira

Construtor: Harland and Wolff (Belfast)
Batimento de quilha: setembro de 1907
Lançamento: maio de 1910
Patrono: Olímpia
Porto de registo: Liverpool
Armador: White Star Line
Viagem inaugural: 14 de junho de 1911
Período de serviço: 1911 - 1935
Estado: Abatido ao serviço após a segunda guerra mundial

R.M.S. Olympic - "Old Reliable"

O navio Olympic foi construído entre Setembro de 1907 e maio de 1910, altura em que foi lançado. Foi o primeiro de três grandes navios, a "Olympic Class" (os maiores da altura), da White Star Line que fizeram parte da frota por volta da mesma época. Eram em muito, principalmente no tamanho, distribuição e vista exterior, iguais.
Em 14 de Junho de 1911 o Olympic fez a sua viagem inaugural. Com 1313 passageiros a bordo a viagem transatlântica foi um sucesso. As próximas viagens foram de igual modo sem falhas. Mas o desastre aconteceu no início da sua quinta viagem. Pouco passava do meio-dia quando o navio saiu de Southampton a caminho de Cherbourg na França para levar mais passageiros. Inesperadamente o HMS Hawke da Marinha Britânica foi visto no meio do nevoeiro. O navio de guerra foi sugado pelas grandes pás do Olympic e o choque foi inevitável. O HMS Hawke bateu no lado estibordo do Olympic e deixou-lhe com um buraco e uma pá destruída. Apesar do forte embate os dois barcos conseguiram chegar ao porto mais próximo sem vítimas.
O Olympic voltou para Belfast para ser extensivamente reparado. Este desastre apesar de fazer questionar se navios maiores eram menos seguros também ajudou a mentalizar a ideia que eram navios enafundáveis, pois nada de muito grave lhe aconteceu.
Esta ideia foi deitada abaixo em 15 de Abril de 1912 quando o Titanic sofreu um embate com um iceberg e afundou-se, resultando na morte de mais de 1500 pessoas.
Assim que o Olympic chegou a Inglaterra foram-lhe imediatamente adicionados 24 botes aos 20 que já tinha. Mesmo assim passageiros e tripulação achavam que a segurança ainda não estava boa e a White Star teve que retirar o Olympic durante seis meses para reparações mais profundas. Entre outras foi-lhe adicionado uma "dupla pele" para resistir melhor a embates. Em 1913 o RMS Olympic tinha 68 botes salva-vidas e estava pronto para enfrentar as linhas transatlânticas rivais.

Mesmo com o começo da Primeira Guerra Mundial o navio ainda continuou em serviço até que foi finalmente chamado para atracar indefinidamente em Belfast. O grande navio esteve 10 meses parado e foi chamado pelo governo britânico. Ele foi pintado com cores muito claras e com formas geométricas para confundir os submarinos inimigos e foi mudado o nome para H.M.T. (His Majesty's Transport) Olympic.
O Olympic juntou-se ao seu irmão mais novo, o Britannic, que servia como Navio hospital, no Mediterrâneo para transporte de tropas e sobreviventes. Depois começou transportar tropas canadienses e no final de 1916 já tinha completado 10 viagens entre o Canadá e a Europa. Mais tarde faria o trajeto Estados Unidos - Europa com a mesma finalidade.
Em maio de 1918 o Olympic foi atacado pelo submarino alemão U-103 no canal Inglês por um torpedo. Afortunadamente o torpedo falhou o alvo e foi então que o Olympic se virou contra ele e o abalroou. O submarino rapidamente começou a afundar e algumas pessoas que escaparam foram apanhadas pelo destroyer USS Davis que por ali passava.
Em Novembro de 1918 a guerra terminou. Durante a Primeira Guerra Mundial, o Olympic transportou 41.000 passageiros civis, 66.000 tropas e 12.000 membros do batalhão trabalhador chinês. Ele percorreu 184.000 milhas e consumiu 347.000 toneladas de carvão. Por estes recordes de guerra, o navio ganhou a alcunha de "Old Reliable", que traduzido para o Português seria: "velho confiável".
Retornou então para a White Star Line para ser renomeado R.M.S. Olympic para, uma vez mais, fazer rotas transatlânticas. Nessa altura o Olympic ainda era um dos mais maravilhosos e luxuosos navios a circular e por isso várias personalidades fizeram travessias nele, como é caso de Charlie Chaplin e de Eduardo, Príncipe de Gales.
Nos anos seguintes e com a ajuda da Grande Depressão o Olympic deu mostras da sua velha idade e tornou-se obsoleto.
Em Março de 1935 fez a sua última viagem para Nova Iorque onde foi vendido e completamente desmontado. O Olympic foi um dos maiores navios que já cruzou os mares e um dos mais maravilhosos.

RMS olympic - História

No início do século XX a imigração para o então novo mundo, como era denominado a América era intensa. Muitos procuravam uma nova oportunidade de vida e deixavam para trás a miséria e a fome do antigo mundo. A única forma de travessia era através de navios. E as companhias marítimas não demoraram muito para ver o mercado que estava diante delas. A luta foi intensa entre as companhias marítimas até o surgimento da aviação comercial no fim da década de 1940.
No começo de 1900 duas grandes companhias inglesas disputavam palmo a palmo a supremacia no Atlântico Norte no transporte de passageiros, a Cunard Line e a White Star Line. A White Star viu a sua rival transpor o Atlântico com imensos colossos até 1909, quando teve início nos estaleiros da Harland & Wolff, em Belfast, a construção de um trio de gigantes. Os denominados Olympic, Titanic e Gigantic seriam os maiores objetos móveis já construídos pelo homem. Os dois primeiros foram construídos em paralelo e o Olympic foi o primeiro a ficar pronto (1911), seguido pelo Titanic (1912), e pelo Gigantic, batizado como Britannic (1915).

O RMS Olympic

O RMS Olympic foi um navio transatlântico inglês em serviço entre os anos 1911 e 1935. Media 269 metros de comprimento, 28 metros de largura e 56 metros de altura. Tinha capacidade para 329 pessoas em primeira classe, 285 em segunda classe, 710 em terceira classe e 899 pessoas de tripulação. Na sua capacidade total conseguia acomodar 2223 pessoas. Pertencia à mesma classe do RMS Titanic e HMHS ou RMS Britannic.

6 de dezembro de 2010

H.M.H.S. Britannic - Gigantic

O Britannic foi lançado em 26 de Fevereiro de 1914 e estava previsto começar a sua rota regular entre Nova Iorque e Southampton na primavera de 1915.

Entretanto, com o início da Primeira Guerra Mundial, em 13 de novembro de 1915 ele foi requisitado pelo almirantado e oficialmente equipado para ser um navio hospital. Atracou em Liverpool no dia 12 de dezembro de 1915 debaixo de uma pesada escolta armada. Foi equipado para a função de navio hospital com 2.034 cabines e 1.035 camas para vítimas. Um pessoal médico de 52 oficiais, 101 enfermeiras, 336 soldados, e uma tripulação de 675 homens e mulheres .

O navio estava sob o comando do Capitão Charles A. Bartlettt. Bartlett iniciou sua carreira na White Star em 1874 ocupando várias posições em navios de transporte como o Celtic, Teutonic, Oceanic e Georgic. Em 1903 ganhou o certificado de Mestres e com isso comandou transportes como o Germanic, Cedric, e o Republic. Era muito querido pelos seus passageiros, mas não pela diretoria da White Star Line, devido a sua excessiva preocupação com a segurança e não com a velocidade.

O Britannic foi comissionado como HMHS "His Majesty's Hospital Ship" (Navio Hospital da Vossa Majestade), em 12 de dezembro de 1915 em Liverpool passando em seguida para a sua primeira viagem em 23 de dezembro de 1915, com destino a Moudros. Ele foi juntar-se ao RMS Mauretania, RMS Aquitania, e seu irmão, o RMS Olympic. Juntos os cinco navios eram capazes de levar 17.000 doentes e feridos ou 33.000 soldados.

A quinta viagem teve novamente a escala Southampton, Nápoles e Mudros. No último dia dessa viagem o Britannic enfrentou mares revoltosos e tempestades. Após enfrentar as tormentas, retornou finalmente a Southampton com mais de 3.000 feridos. Após três viagens "transportando" feridos, o Britannic voltou a Belfast em junho de 1916 e foi devolvido a White Star Line.

O Aquitania sofreu sérios danos durante a tempestade e teve que atracar para reparos. Por causa disso, quando estava sendo feitas as modificações do Britannic para interagir como navio de turismo, ele foi novamente solicitado pelo Almirantado Britânico e foi convocado para sua sexta viagem depois de quatro dias.
O Britannic partiu de Southampton no dia 12 de novembro de 1916, para a sua sexta viagem. O tempo estava tranqüilo e não levava nenhum "passageiro".

Em 21 de Novembro de 1916, o Britannic saiu do porto de Nápoles em direção a Moudros. Perto das 8 da manhã quando passava pelo Canal de Kea no mar Egeu, houve uma enorme explosão na parte inferior do navio causada por uma mina posta lá duas semanas antes por um submarino alemão (U73). Este navio, sendo em tudo melhorado em relação ao Titanic, tinha estruturas mais fortes e eficientes que suportavam ter 6 de quaisquer porões inundados. Pensa-se que a mina tenha feito estragos em apenas dois porões mas, por mau funcionamento das portas dos porões e por erros humanos como deixar as janelas inferiores abertas pelo calor (situação explicitamente proibida), o imenso navio afundou-se em cerca de 55 minutos (O Titanic levou 2 horas e meia). O Capitão experimentou encalhar o Britannic na Ilha de Kea, mas não teve sucesso. O maior transatlântico da Inglaterra, com apenas 351 dias de vida, foi á pique.
Com botes salva-vidas suficientes para cerca de 3000 passageiros, os 1066 presentes fizeram uma evacuação rápida. Houve apenas dois incidentes de lançamento dos botes: Dois botes que foram lançados com os motores do navio ainda em funcionamento, foram sugados pelas hélices do navio, o que resultou em sua destruição e na morte das pessoas que estavam a bordo deles.
A útlima pessoa a sair do navio foi o Capitão Bartlett que no último momento «andou» para a àgua, pois a ponte já se encontrava inundada, e nadou até alcançar um bote onde pôde ver o resto do seu amado navio a afundar-se. 

Ao todo 1036 pessoas foram salvas e 30 perderam a vida.

Devido a um bote ter batido numa das  3 hélice e matado 30 pessoas






Construção - Britannic

O Gigantic (nome inicial do navio) começou a ser construído em 30 de Novembro de 1911, na mesma plataforma que o Olympic foi feito.

O Gigantic (nome inicial do navio) começou a ser construído em 30 de Novembro de 1911, na mesma plataforma que o Olympic foi feito.
A quilha do Britannic foi construída antes da viagem inaugural do Titanic, mas a construção foi paralisada depois que o Titanic afundou. Antes da retomada da construção, vários mudanças foram feitas ao Britannic, inclusive um casco duplo e anteparas aprova d'água que alcançavam até o deck "B". Ele seria chamado de RMS Gigantic, mas foi mudado para RMS Britannic logo após a catástrofe do RMS Titanic. Quando o trabalho foi reiniciado muitas mudanças estavam incorporadas nos planos finais. Estas incluíam:
A) Casco duplo, o que aumentou a largura do navio em dois pés (60 cm);

B) Fundo duplo, o fundo tinha normalmente cinco pés (1,5m) mas foi aumentado a seis pés (1,80 m);

C) O espaço entre o fundo interno e externo foi separado em compartimentos através de seis enormes vigas de aço longitudinais a fim de minimizar a ruptura do navio em caso de inundação. Essa medida prova que a hipótese de que o Titanic tenha se rompido enquanto afundava era real, não que ele afundou inteiro como os inquéritos americano e inglês apuraram;

D) As anteparas a prova d'água foram estendidas do fundo até o deck "E" na parte dianteira do navio e até o deck "D" na parte de trás. Cinco dessas anteparas estenderam-se até o deck "B" e outras onze até o deck "E". Já não parecia mais importar para a companhia se as anteparas e as pesadas portas a prova d'água se infiltrassem nos compartimentos da primeira classe;

E) Quatro filas de rebites, foram postas nas chapas, onde tensão seria maior;

F) Turcos de tamanho gigantes para os barcos salva-vidas;

Estas modificações fizeram do Britannic a maior tonelagem bruta dos três navios, cerca de 48.158 toneladas. Como um navio hospital ele era aproximadamente 5% maior e provavelmente teria alcançado as 50.000 toneladas (aproximadamente 10% maior) quando convertido a um transatlântico comercial. A White Star Line ficou obcecada com a segurança de seus navios depois do desastre do RMS Titanic.

Características gerais do britannic

Tipo de navio: Navio Hospital
Classe: Olympic
Deslocamento: 53 000 t
Comprimento: 269 m
Boca: 94 m
Calado: 10,5
Propulsão: 2 hélices laterais de bronze com 3 lâminas cada. Uma hélice central também de bronze com 4 lâminas.
Velocidade: 21 nós - (min.)
24 nós - (max.)
Tripulação: 860
Passageiros: 3.300 feridos
489 profissionais de saúde

Britannic - História

A White Star viu a sua rival transpor o Atlântico com imensos colossos até 1909, quando teve início nos estaleiros da Harland & Wolff, em Belfast, a construção de um trio de gigantes. Os denominados Olympic, Titanic e Gigantic seriam os maiores objectos móveis já construídos pelo homem. Os dois primeiros foram construídos em paralelo e o Olympic foi o primeiro a ficar pronto (1911), seguido pelo Titanic (1912), e pelo Gigantic batizado como Britannic (1915).


O navio Britannic foi construído em 1914 e foi um dos três grandes navios (os maiores da altura) da White Star Line que fizeram parte da frota por volta da mesma época. Eram em muito iguais, principalmente no tamanho, distribuição e vista exterior. A maior diferença residia no peso. Os dois irmãos mais velhos (Olimpic e Titanic), tinham cerca de 45mil toneladas enquanto que o Britannic, pelas modificações feitas para resistir melhor a embates (como um casco duplo) e pelo número de botes ser aumentado entre outras, tinha um peso de cerca de 50mil toneladas.

Britannic -Carreira

Construtor: Harland and Wolff (besfast)
Batimento de quilha: 30 de novembro de 1911
Lançamento: 26 de fevereiro de 1914
Baptismo: Não foi baptizado
Porto de registo: Liverpool, Inglaterra
Armador: White Star Line
Viagem inaugural: 23 de Dezembro de 1915 (como navio hospital)
Período de serviço: Serviu como navio hospital por vários anos.
Estado: Afundado por uma mina em 1916.
Fatalidade: 21 de Novembro de 1916 (94 anos)

HMHS Britannic



O HMHS Britannic foi um transatlântico inglês que serviu como navio-hospital durante a 1ºguerra mundial Navegando ao largo da Grécia em 1916, O navio sofreu vários 3 atentados um de dia  que foi lançado 2 misseis  se susseço    na noite de 21 de Novembro de 1916 foi lançada uma bomba por um in
truso russo que  fez uma bomba e que a lançou no carregamento de carvão  a bomba explodiu fez um buraco no casco do Britannic este  começou a afundar os compartilhamentos não poderam ter trançado pois tinham sido avariados pelo intruso na mesma noite . O navio foi posto em remarcha  e foi alertado  todos os passageiros Foi lançado botes ,Foi lançado um missil de um submarino russo o qual fez uma enorme explosão na casa das maquinas .  O navio  já tinha as hélices  acima da água o capitão  e mais outros funcionários foram para o bote  e afastaram-se  do navio ,o navio estava cm as hélices a funcionar em remarcha um bote com 37 pessoas   que não se afastou do navio foi sugado elas hélices matando todas as pessoas que estavam no bote  o qual ainda restava um bote que teria encravado .o qual  ainda estavam 2 os quais tiveram de sair por uma janela e depois ir para o bote que estava encravado   e pedir ajuda .foi lançada uma corda para ajuda  no qual uma mulher   foi puxada  para o bote .  o outro funcionário era o russo "ele ajudou a mulher a sair do navio porque gostava dela mas levou um tiro quando lançou a bomba" o bote desencravou  sendo desfeito pelas hélices do britannic fazendo com que as hélices parecem acabando o navio por virar para a direita e afundando .

O HMS Britannic  afundou apenas em 55 minutos devido a ter o  que trancava os compartimentos avariado .porque se não tivesse não afundaria porque estava melhorado  em tudo comparando-se com os seus
irmãos .

O navio tinha as dimensões de 269 metros de comprimento, 28 metros de largura e 56 metros de altura. Tinha capacidade para 790 pessoas em primeira classe; 836 em segunda classe; 953 em terceira classe; e 950 pessoas de tripulação. Na sua capacidade total conseguia acomodar 3.529 pessoas.

Pesava cerca de 50mil toneladas. Pertencia à Classe olmypic como o Titanic e o Britannic

3 de dezembro de 2010

Titanic -O naufrágio

Ao anoitecer de 14 de Abril, o Comandante Smith depois de receber um aviso de presença de icebergs na zona, manda reforçar a vigia no mastro de proa e fornecer binóculos. Esses equipamentos não foram encontrados e os vigias tiveram que fazer o seu trabalho apenas visualmente. O Comandante Smith retirou-se para os seus aposentos, deixando o comando ao Segundo Oficial Charles Lightoller, que mais tarde foi substituído pelo Primeiro Oficial, William Murdoch. A noite estava fria e calma, sem ondulação nem vento. Somente a luz das estrelas e do Titanic iluminavam a escuridão. Às 22h30, a temperatura da água do mar era gelada, cerca de 0,5 °C abaixo de zero, o suficiente para matar por hiportemia  uma pessoa em apenas vinte minutos.
Às 23h40, os vigias do mastro Frederick Fleet e Reginald Lee, avistam uma sombra mais escura que o mar. A imensa sombra cresceu rapidamente e revelou ser um imenso iceberg na direção do navio. Imediatamente o pânico deu lugar aos reflexos e Fleet tocou o sino de alerta do mastro três vezes e ergueu o comunicador para falar com a Ponte de Comando.

O Primeiro Oficial que ouvira e vira a imensa massa de gelo na direção do navio, entrou na ponte de comando. Gritou, ordenando ao timoneiro Robert Hitchens "tudo a estibordo", e à casa de máquinas, "máquinas a ré toda a força", foi a pior coisa que ele poderia ter ordenado, a reversão dos motores, pois, dada a pequena distância que separava o Titanic do iceberg, e mesmo apesar da grande potência de torção que os motores transmitiam às hélices, ele não tinha tempo de parar, para além do mais que o reverso dos motores fez perder a eficácia do leme, pois o leme consegue mudar o rumo do navio com a água a passar por ele com grande força. Com a reversão do movimento das hélices, esse forte fluxo de água que corria para o leme foi cortado em mais de 70 por cento, e quando os motores ganharam aceleração para as hélices, a água que pelo leme passava não era suficiente para deslocar rapidamente o navio para evitar a colisão. Se os motores tivessem sido mantidos em marcha para a frente a todo o vapor, e tivessem virado o leme ao máximo a estibordo, o Titanic teria passado a escassos metros do iceberg, talvez a 5 metros de distancia ou um pouco menos, mas ainda hoje ele poderia existir. Na ponte de comando e no mastro de proa, os tripulantes observaram inertes o imenso iceberg vindo em rumo de colisão.

Na casa das máquinas, a correria foi grande. O vapor que estava a ser enviado para os motores tinha de ser fechado, a fim de parar os pistões. Nas salas de caldeiras, os carvoeiros tiveram que parar de alimentar as fornalhas e abrir os abafadores das caldeiras. Quando os enormes pistões estavam quase parados, uma alavanca na base dos motores fora acionada para reverter os giros das hélices centrais, e então as válvulas tiveram que ser novamente acionadas para libertar o vapor para entrar nos motores que começaram a girar no sentido inverso. A hélice central assim que fora acionado o reverso dos motores parou de funcionar, pois este não era acionado pelos motores do navio, mas por uma turbina que era alimentada pela sobra do vapor dos motores.

A proa do navio começa a deslocar-se do obstáculo e 47 segundos após se ter visto o iceberg, não se consegue evitar a colisão. Esta ocorre às 23h40, na Latitude 41º 46´N e Longitude 50º 14´W. Arestas do iceberg colidem com o casco do navio, fazendo com que se soltem os rebites entre as placas de aço, resultando em pequenas aberturas no casco, tendo sido afetados mais de noventa metros de casco deixando abertos os 5 compartimentos estanques. Apenas 20 minutos depois, o convés já tinha começado a inclinar-se.
O vigia Fleet baixa-se no ninho da gávea do mastro de proa e sente o navio tremer e pedaços de gelo são arremessados ao convés da proa. O navio todo treme e na ponte de comando o oficial Murdoch aciona imediatamente o encerramento das portas estanques. Nos porões de carga do navio, a água jorra com imensa força. Seguiu-se então um estrondo e a água do mar rompeu por toda a lateral da sala de caldeiras número seis. As primeiras vítimas foram cinco operários que lutavam para manter seguras as correspondências na sala de correios inundada logo após a colisão. Morreram todos afogados tentando salvar as cartas que rumavam para a América a bordo do navio.

Com o abanão provocado pela colisão, muitos passageiros acordaram. O Comandante Smith dirigiu-se imediatamente para a ponte de comando e foi informado do ocorrido. Ordenou imediatamente a paragem total das máquinas. Com a paragem das máquinas, um barulho ensurdecedor é ouvido na área externa do navio, devido à grande quantidade de vapor expelido.
O Comandante Smith chamou o Engenheiro-chefe, Thomas Andrews, e solicitou um exame das avarias. Após alguns minutos, Andrews selou o destino do Titanic dizendo: "O navio vai afundar, temos menos de duas horas para evacuá-lo". Bruce Ismay, Presidente da White Star Line e o Comandante Smith mostraram-se incrédulos com o relato. "O Titanic não pode afundar" - menciona Ismay - "é impossível ele afundar". Haviam sido atingidos 5 compartimentos estanques. Com quatro compartimentos, o Titanic ainda conseguiria flutuar, mas o peso de cinco compartimentos cheios de água a proa inundaria, fazendo com que a água atravessasse para os outros compartimentos, por cima das portas estanques. A água do sexto compartimento passaria para o sétimo compartimento, depois para o oitavo compartimento, e assim por diante.

Por volta das 0h01 do dia 15 de Abril , o Comandante Smith dirige-se à cabine de telégrafos e solicita para que os operadores do turno, Jack Phillips e Harold Bride, enviem a posição do navio junto com um pedido de ajuda. "SOS. Abalroamos um Iceberg. Afundamento rápido. Venham ajudar-nos". O navio de passageiros RMS Carpathia, estava a quatro horas de distância do Titanic. Foi o primeiro a acorrer ao local. O rádio operador do Carpathia antes de ir dormir, efectuou uma última verificação às comunicações e captou a mensagem do Titanic. Próximo ao Titanic, havia um navio que era visível, possivelmente o SS Californian. O seu telegrafista não recebeu os pedidos de ajuda, pois acredita-se que estava a dormir. Não era comum manter telegrafistas a trabalhar durante a noite. Após o desastre do Titanic isso tornou-se obrigatório.
Às 0h05, o Comandante Smith reuniu os oficiais e informou-os do ocorrido. Solicitou que os passageiros fossem acordados e que se dirigissem ao convés onde se encontravam os botes salva-vidas para serem evacuados. Sabiam que o número de botes era suficiente para apenas pouco mais da metade das pessoas a bordo, mas mesmo assim pediu para não haver pânico. Os empregados começaram a passar de cabine em cabine na primeira e segunda classes, acordando os passageiros, solicitando para colocarem os coletes salva-vidas e para que se dirigissem para o convés dos botes imediatamente. Enquanto isso, os passageiros da terceira classe permaneciam reunidos e trancados no grande salão da terceira classe junto à popa (parte de trás do navio). Muitos passageiros revoltaram-se, e alguns aventuraram-se pelos labirintos de corredores no interior do navio para tentar encontrar outra saída. Alguns conseguiram escapar com vida, mas muitos deles acabaram sepultados dentro do Titanic. A evacuação havia sido feita de acordo com as classes sociais a que os passageiros pertenciam, valor até então aceitável.
Às 0h31, os botes começam a ser preenchidos com "mulheres e crianças primeiro". Os primeiros botes foram lançados sem ter a lotação máxima permitida. Lightoller segue com rigor as ordens de embarcar somente mulheres e crianças.Entretanto, a estibordo do navio o Primeiro Oficial Murdock permitia a entrada de homens solteiros e casais nos botes, após a entrada de mulheres e crianças, e fazia os botes descer completamente cheios,mesmo com homens,e por isso,muitos homens que se salvaram devem a sua vida a esse oficial. Alguns sobreviventes relataram que a sensação ao caminhar no convés de botes era como a de estar descendo um monte.
Como o navio que estava próximo não respondia, nem aos sinais do telégrafo, nem aos sinais da lanterna, às 0h45, o Capitão Smith manda que fossem disparados os foguetes de sinalização. É arriado o primeiro bote salva-vidas nº 7, com apenas 27 pessoas. A fim de evitar o pânico, o capitão solicitou que a orquestra de bordo viesse tocar junto ao convés dos botes para acalmar os passageiros. A tradição diz que a banda foi para o fundo a tocar "Nearer My God to Thee". Segundo o testemunho do segundo operador de rádio, estava a tocar "Autumn", um hino episcopal.
Enquanto isso, Thomas Andrews tenta ajudar do jeito que pode, ajudando os passageiros a porem os coletes salva-vidas, mesmo sabendo que seu esforço não salvará muitas vidas.
Às 1h25, a inclinação do convés fica maior. Ordens são dadas para que os botes desçam mais cheios. Thomas Andrews, o engenheiro-chefe, ajuda na decida dos botes fazendo com que eles sejam devidamente cheios. A água já atinge o nome do Titanic pintado na proa. O navio começa a se inclinar para bombordo. Andrews é visto pela última vez na sala para fumantes da primeira classe.
Enquanto que nos primeiros botes tinha que se implorar para que as pessoas entrassem, fazendo muitos deles descer praticamente vazios, nos últimos, o tumulto era bem visível. Relatam-se tiros para conter os mais afoitos. Faltando pouco mais de dois botes para deixar o navio, os passageiros da terceira classe são liberados. Restavam apenas esses dois botes e os dois desmontáveis que ficavam junto à base da primeira chaminé. Devido a confusão, Lightoller sacode sua pistola no ar e provavelmente atira para manter o controle durante a decida do desmontável ´´D``. A água gélida já invadia os convés, quando os botes desmontáveis conseguiram ser lançados.
Às 2h05, é arriado o último bote salva-vidas, o desmontável "D", com 44 pessoas. Às 2h10, é enviado o último sinal pelos telegrafistas. O Capitão Smith ordena "cada um por si" e não é mais visto por ninguém. Já com a proa mergulhada no mar e a água a atingir o convés de botes, o pânico é geral. Heroicamente, os operários da sala de eletricidade resistem até ao final para manter as luzes enquanto podem. Às 2h18, as luzes do navio piscam uma vez depois apagam-se para sempre.
Na primeira chaminé, os seus cabos de sutentação, não aguentando mais a pressão exercida sobre eles, rebentam, e a chaminé tomba na água, esmagando dezenas de pessoas nos convés e na água, inclusive, John Jacob Astor IV, homem mais rico do navio. O mesmo acontece com a segunda chaminé. A inclinação do navio chega aos 35° e a água gélida avança rapidamente, arrasando tudo o que há pela frente. Muitos são sugados pelas janelas para dentro do navio pela força das águas. A popa do Titanic sobe, mostrando suas imponentes hélices de bronze. Quando a inclinação do navio chega ao 43°, maior fica a pressão exercida no centro do navio, e o casco do navio não suportando a pressão provoca a ruptura do casco do Titanic, junto à terceira chaminé, dividindo o navio em dois. A popa pesando vinte mil toneladas desaba por cima de centenas de passageiros esmagando-os. Enquanto a proa submerge, a mesma arrasta a popa, deixando-a na vertical e segundos depois desprende-se da popa e mergulha pra as profundezas. A popa então sobe alguns metros e fica parada. Muitos passageiros se seguram como podem enquanto alguns não aguentando, caem violentamente entre as ferragens da popa em vertical e depois de dois minutos emersa a popa começa a descer levando consigo centenas de passageiros. Às 2h20 o navio mergulha a pique pelas profundezas do oceano.


Titanic - Recursos

Ele ofereceu uma piscina a bordo, um ginásio, banho turco, bibliotecas,tribunal.
As salas da primeira classe eram enfeitadas com detalhes em madeira, móveis e outras decorações caras .

O navio incorporou recursos avançados tecnologicamente, para sua época. Tinha um extenso subsistema elétrico alimentado com geradores de vapor para iluminação total do navio. Ele também ostentou dois telégrafos Marconi sem fio, incluindo um rádio de 1500 watts de potência tripulado por operadores de rádio que trabalharam em turnos, permitindo o contacto e à transmissão de mensagens de muitos passageiros.

Titanic - Construção

O Titanic foi um transatlântico da   White Star Line construído nos estaleiros da Harland e Wolff , em Belfast,  destinado a competir com os navios Lusitânia e Mauritânia da empresa rival  Cunard Line  . O Titanic, juntamente com os seus irmãos da classe Olympic, o Olympic e o ainda em construção Britannic , se destinavam a ser os maiores e mais luxuosos navios a operar.

A construção do RMS Titanic começou em 31 de Março de 1909  e foi concluída em 31 de Março de 1912.

O Titanic tinha 269,10 metros de comprimento e 28 m de largura, uma tonelagem bruta de 46,328 toneladas, e uma altura da linha d'água até o deque de botes de 18 metros. O Titanic continha dois motores de quatro cilindros  de expansão tripla, invertido com motores a vapor e uma turbina de baixa pressão Parsons  de três hélices. Havia 29 caldeiras alimentadas por 159 forno de carvão a combustão que tornaram possível a velocidade máxima de 25 nós . Apenas três das quatro chaminés de 19 metros de altura eram funcionais; a quarta chaminé servia apenas para ventilação; foi adicionada para dar ao navio uma aparência mais impressionante. O navio podia transportar um total de 3,547 pessoas, entre passageiros e tripulação e, por transportar correio.

Características gerais do Titanic

Tipo de navio: Navio a vapor de passageiros.
Deslocamento: 46 328 t
Comprimento: 269 m
Boca: 28 m
Pontal: 54 m
Calado: 9,7

Propulsão:  2 máquinas de tripla expansão com 15 000 HP (hélices laterais)
                  1 turbina de baixa pressão com
                  16 000 HP (hélice central)
                  29 caldeiras de vapor
                  2 hélices laterais de três pás
                  1 hélice central de quatro pás

Velocidade: 25 nós
Tripulação: 899
Passageiros: 2648

Titanic ,navio considerado navio dos sonhos .

O Titanic foi o considerado o navio dos sonhos.



Com Toneladas a mais a comparar-se com o Olympic e com muito luxo .
Sua construção se iniciou em 1909 e foi Terminada em 1912 . 
Sua viagem inaugural foi neste mesmo ano, com destino para Nova Iorque com paradas em Cherbourg e Queenstown.

Seus destroços foram descobertos em 1985, por Robert Ballard.
O Titanic também ficou conhecido como navio insubersível em sua época.
 Devido a um folheto publicitário  em 1910  .



No folheto dizia que era um navio praticamente insubersível. Porém o povo alterou o tom da idéia e passou a acreditar que era completamente inaufragável.

O folheto circulou pela cidade de Belfast.

1 de dezembro de 2010

Titanic -Carreira

Construtor: Harland and Wolff ( belfast )  

Batimento de quilha : 22 de Março de 1909
Porto de registo: Liverpool
Viagem inaugural: 10 de Abril de 1912 de Southampton a  Nova York
Periodo de funcionamento : 1912

Estado: Afundado por colissão num icebberg
Fatalidade:  15 de abril de 1912
Idade: 99 anos

Ps: Para mim  este navio e o HMHS Britannic foram os mais bonitos do século 20 ...
são  super lindos e eram muitos avançados para aquele tempo...